Comunicação à Brisa devido à falta de sinalização de alternativas nas obras na A2

Enviei hoje esta comunicação à Brisa:

Comunicação enviada para a Brisa com CC para:

  • Infraestruturas de Portugal
  • Direção-Geral do Consumidor
  • Secretário de Estado das Infraestruturas
  • CM Seixal e Cm Almada
  • PS, CDU, PSD, CDS e BE de Seixal e Almada
  • Automóvel Clube de Portugal
  • Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados

Exmos. Srs. da Brisa,

É 1h30 da manhã e acabei de chegar a casa depois de ter demorado pouco mais de uma hora a percorrer o percurso Lisboa – Seixal, devido às obras de repavimentação que actualmente decorrem na A2.

Não vos escrevo este email a reclamar relativamente às obras. As obras são necessárias e estão a ser realizadas, e muito bem, em período nocturno.

O que eu não consigo compreender, nem aceitar, é que em 2018 a Brisa não tenha nenhum responsável que tenha pensado que talvez fosse uma boa ideia colocar um aviso entre o final da Ponte 25 de Abril e o nó de Almada alertando para as obras e sugerindo, de forma assertiva e inequívoca, as alternativas.

A única indicação que existe é um outdoor, tipo publicitário, com a mascote da Brisa. Design porreiro e tal… Mesmo que alguém o veja, o que não é provável, dado que as obras acontecem de noite e (guess what?) o mesmo não é iluminado, a sua utilidade é nula. Porquê? Porque está DEPOIS do nó de Almada, quando já não há nada a fazer. Podiam ter escrito no outdoor “Obras na A2… ahahhaha já foste!!” que ao menos ganhavam pontos pela originalidade. Assim, como está, não serve para nada (a não ser dar uns cobres a ganhar à empresa que o montou).

E por favor não me respondam a este email referindo que foram efectuadas comunicações, nomeadamente através do vosso website. Se essas comunicações tivessem tido algum efeito não haveria uma fila de mais de 5km à uma da manhã.

Não estamos a falar de ciência aeroespacial, da cura do cancro, do sentido da vida ou de finalmente descobrir todas as casas decimais do PI.

Estamos a falar de um simples aviso, luminoso, visível, útil, com a indicação:

“OBRAS. TRÂNSITO DEMORADO. UTILIZE AS ALTERNATIVAS A33 OU N10”

NOTA: Antes do nó de Almada!

É simples. É eficaz. É o mínimo exigível no século XXI, num país membro da União Europeia, pela empresa que inventou e exporta para todo o mundo a Via Verde (for god sake…).

O que mais me choca é que tenha de ser um utente a lembrar-vos que talvez seja boa ideia fazer isto.

Podia ter utilizado o Waze ou Google Maps para verificar o estado do trânsito. Certamente que sim. Senhores… estava tão cansado que nem pensei no assunto. Falha minha (e dos milhares de outros automobilistas que comigo partilharam o início desta madrugada na A2).

PS: Se nada do que escrevi neste email vos leva a tomar medidas, pensem nos milhares de euros que poderiam facturar em portagens na A33 durante as obras, se ao menos colocassem o aviso de alternativas.

Melhores cumprimentos,
Marco Almeida

 


 

Resposta da Infraestruturas de Portugal a 26 de Novembro:

Relativamente à sua exposição, que agradecemos e que mereceu a nossa melhor atenção, uma vez analisado o respetivo conteúdo, verificamos que o assunto em questão está localizado numa estrada integrada no contrato de concessão da Brisa e não da Infraestruturas de Portugal, S.A., razão pela qual procedemos ao seu encaminhamento para a respetiva concessionária.

Aparentemente não estão muito preocupados com o que as concessionárias fazem ou deixam de fazer. (ERRO MEU, ver de seguida)

Actualização recebida por email a 27 de Novembro:

Damos como recebida a sua mensagem e cumpre-nos informar que a gestão dos contratos de concessão que integram as vias em causa, é desde 2008 assegurada pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes, I.P.(IMT,I.P.), nos termos do DL n.º 236/2012, de 31 de outubro).

Agradeci o esclarecimento e encaminhei para o IMT, que deveria ter colocado em CC no email original, em vez da IP.

 


 

O PSD Almada encaminhou o assunto para a Lusoponte a 27 de Novembro:

Boa tarde,

Tivemos conhecimento do e-mail do Sr. Marco Almeida, com o assunto “Falta de sinalização de alternativas nas obras na A2”, o qual encaminhamos.

Trata-se de uma situação que merece a nossa melhor atenção.
Apesar de as obras em curso serem promovidas pela Brisa Concessão Rodoviária, no cumprimento do contrato em vigor, tal situação acaba por prejudicar os utilizadores da concessão que a precede – Lusoponte – no sentido norte-sul.
Salvo melhor opinião, parece-nos que existe efetivamente uma falta de informação sobre a existência de alternativas (nomeadamente IC20 e A33, ou Variante N10 e N10), pelo que seria importante que se considerasse a colocação de um painel luminoso na concessão da Lusoponte no sentido norte-sul, algures entre o km 2 e 3, à semelhança do que acontece no sentido inverso.

Encontramo-nos ao dispor para esclarecimentos sobre este ou outros assuntos e, se necessário, para agendamento de reunião.

Melhores cumprimentos,

João Antunes

 

  1. Rita Carmo diz:

    Concordo em pleno. Acrescento que faço este percurso várias vezes por semana à noite, depois das 23h30 e, ultimamente, em dias que não chova, já sei que é melhor confirmar no Waze por onde devo ir quando me dirijo para casa. Às 23h30, repito. Tantas foram já as vezes que, sem contar, fiquei presa numa fila durante 1 hora para chegar a casa quase de madrugada.
    Tanta app moderna, painéis informativos a dizer que chove. Usem a cabeça, por favor.

  1. Não existem trackbacks para este post.

Comentar

Please copy the string aGlUc1 to the field below: